28 de maio de 2011

Sacrifício

O sacrifício do homem bom é o combustível para o sucesso de suas realizações além de fomentar o ego de quem gosta das coisas bem certas e devidamente definidas. De soslaio vemos o contexto geral se formando e percebemos então que o mundo é muito maior quando passamos a, diariamente, participar dele ativamente.

É assim que se busca a produtividade, a plenitude do que se pode. A capacidade está além do que um dia conseguimos alcançar, sempre há mais, sempre podemos mais, é verdade. Deixe rolar essa música que me acalma a alma, poder ouvir uma obra criada com tempo e calmaria, explanando toda a criatividade de alguém que notadamente fazia o que ama é revigorante.

De onde vem tudo isso se não de um tempo tão longe quanto a existência do que ainda não se decifrou? De onde, de quem e pra quê? Por hora digamos que já não interessa mais, porque há verdade e é tudo real!

De que vale se perder nas curvas duvidosas da aventura tentando sempre organizar e categorizar todos os pormenores que possibilitem uma interpretação tão original quanto aquela outra que foi então vista em algum momento? Saia e tire o que há de prender-te. Liberdade é algo além do que vemos, é sentimento.

Sim, o sacrifício exige foco, força e resistência. A realização de algo relevante não é feito assim ao acaso por puros deleites mundanos, não mesmo. Vamos à contra mão do que não está certo, oras. Não é porque tem sido feito assim que haverá então legitimação.

Seja o que acreditas que deve ser; O que acreditar ser o melhor. O bem em sua forma mais escultural é o que vale a pena e para isso são necessários sacrifícios. HAHAHA. Aprenda, observe, repita ou se cale. Os mais sábios ensinamentos muitas vezes exalam de um silêncio sepulcro, um olhar de qualquer alguém que não tem nada de qualquer.

Sacrificar-se pelo ideal vale a pena nos mais variados sentidos, não seja teimoso em demasiado nem orgulhoso à menos que as condições o favoreçam. Ser verdadeiro, justo e manter-se de pé é uma tarefa complexa que exige muito, mas que no final compensa. Nós iremos e a história ficará, na história ficará apenas o que foi relevante, real. Talvez os sacrifícios são sejam lembrados assim com tanta veemência, mas não faz diferença já que nossa alma nunca mais será a mesma então.

22 de maio de 2011

Oportunidade

Em que consiste esse detalhe da lógica oportunista? Já que oportunidade é basicamente tudo para um vigarista. Mas é um bom vigarista, dos safos e que não costumam ser pegos, aliás eles não são pegos.

Minha boca denuncia a sede, a sede que sinto de saudade e de perplexidade pelo desequilibrio natural das coisas, humanamente falando, evidente.

Onde há descanso se a fuga é apenas uma oportunidade qualquer de se cansar, uma possibilidade para escrever é tudo o que pedia e me foi dada.

Que silêncio, que regras que nada. Gosto do vento na cara, no corpo e na alma, no rosto esquentado pela luz do sol, cercado de verdades criadas pelo accaso se é que ele existe e na pequenez desse mundo que gira o tempo todo sem parar mesmo que o tempo pare, hora ou outra nos veremos no mesmo lugar.

Aqui estão as coisas, todas elas tais do mesmo modo, sabe? As vezes parece que nada mudou, é como se a realidade se reproduzisse novamente como na lantete lembrança oriunda sabe-se lá de onde.

A ironia é exatamente esse, receber praticamente tudo que foi desejado. O desejo não é nada além disso tudo. Os pensamentos são volumosos e rápidos como uma avalenche no jardim do édem.

Veja só que estamos presos e atrelados aos padrões convencionados, às lembranças fincadas no peito. Agora posso pensar, como é sensacional. Fantático mesmo é a quebra de paradigmas, fala-se perto, mas não ao ouvido e sim em total e absoluto silêncio.

E é isso que vale, é disso que se vale quem sente o prazer das coisas, da natureza. Desculpe pelas mentiras, era por puro receio de machucar e ser machucado, as feridas agora já são cicatrizes e eu sei perfeitamente onde elas estão.

De uma oportunidade sugiram outras tantas, várias. As possibilidades então se concretizaram sacrificando assim algumas outras. Por quê romancear, se não há necessidade? É isso que é e essas oportnidades distribuídas que nos cabem.

Que dia lindo, que não morrerá e será vivido e saudado outra vez, logo mais ao cair da noite, como agora. Uma bela oportunidade, não?


@diguimaaraes

13 de maio de 2011

Um presente desejado

A correria louca do dia a dia do trabalho de cada dia, da labuta de todo dia e do estudo para amanhã não nos deixa pensar tanto quanto gostaríamos. Raciocinar tornou-se um privilégio para muitos e um dom para poucos , um som que vem de longe ao longe por muito pouco.

Nada de desabafo ou reclamação, nada de repulsa à qualquer que seja a situação. Afinal, é bem melhor assim do que antes. Pela primeira vez o passado já não nos importuna mais, o presente é intenso e produtivo, o futuro...? Promissor. O tempo engolia a produtividade e o poder que era pífio e ao mudar de figura o destino encarregou-se de contariar e lógica e fazer com que o poder superasse tudo à exemplo daquele tempo que agora fora o preço.

Não há quem tema o passado e ame em demasiado o futuro e seja feliz, ao passo de que não há quem tema o futuro e ame o passado de tal forma que se perca em meio a isso. Na vida podemos seguir vários caminhos, diferentes e iguais aos mesmos de antesr. Velhas novidades acontecendo a todo tempo e é preciso estar atento, ser atento e atencioso.

De que vale inovar em suas perdas se durante o tramite acabar por perder-se em meio às inovações. Quem eras mesmo tu? Quem era eu? HAHA Já não diz muita coisa, pois agora o foco existe e o rumo está traçado, muito bem traçado, diga-se de passagem.

Há muito tempo, de outras vidas e algumas outras perspectivas que essa vontade perseguia, exigia dele um pouco mais de vontade, de perseverança... E agora quem será capaz de dizer que não existe? Quem será capaz de dizer que existe alguma coisa alheia a toda essa luta?

Um presente tradicional, como sempre foi. Um presente que não perde o encanto para uma pessoa tal qual. Um presente especial que ela desejara. Um presente especial que nunca lhe foi dado até então. A vontade, a saudade daquilo que nunca teve... Um presente realmente desejado, porém não por quem ganhara, mas sim por quem presenteara.

Nada, nada paga um olhar de carinho. Um sorriso de verdade, de amor e de gratidão não tem preço. O tempo para e parou, momentos como aquele se conta nos dedos na vida de um homem afinal não há outra coisa que o faça tão feliz quanto a imagem da sua própria generosidade. Sim, sim... Um presente desejado mais para o presenteador que por qualquer outro. Presente nenhum que ganhar será tão gratificando e bonito quanto esse que presenteou.

O desejo exige sacrifício aos que pretendem realizá-lo, diretamente proporcional ao mesmo. E quem, quem será capaz de dizer que não houve tamanha verdade?

7 de maio de 2011

...?


O amor é a loucura da razão e a razão da loucura.